Anais CBFic - Volume 1 - 2018

Sociedade Brasileira de Ficologia - SBFic

Publicado em 26/11/2018

Volume 1 - 2019

Título do Trabalho

R-FICOERITRINA: METODOLOGIAS PARA EXTRAçãO DO CORANTE NATURAL VERMELHO DA MACROALGA MARINHA SOLIERIA FILIFORMIS

Autores

ACRISIO JOSé UCHôA BASTOS-FILHO, ÁUREA ANETTE MONTEIRO BRITO, ROBERTA CRISTIANE CAVALCANTE COSTA, ANTôNIO AUGUSTO LIMA ARAúJO-FILHO, FRANCISCO LUCAS DE SOUZA LOPES, JOãO VICTOR DE MELO PEREIRA, NORMA MARIA BARROS BENEVIDES, MáRJORY LIMA HOLANDA-ARAúJO

Modalidade

Resumo

Área Temática

3 BIOTECNOLOGIA E INOVAçõES

Data de Publicação

26/11/2018

País da Publicação

Brasil

Idioma da Publicação

Português

Página do Trabalho

http://sbfic.org.br/anais_show/99

ISSN

Aguardando...

Palavras-Chave

Precipitação com Sulfato de Amônio, Ficobiliproteína, Rodófita.

Resumo

As macroalgas marinhas rodófitas, por biossintetizarem diferentes tipos de pigmentos, têm sido avaliadas como fontes sustentáveis de R-ficoeritrina, uma ficobiliproteína de coloração vermelha, solúvel em água e, portanto, de grande importância para a indústria, diante da carência de pigmentos naturais vermelhos. Nesse contexto, o objetivo desse trabalho foi determinar a melhor condição de extração da R-ficoeritrina de Solieria filiformis. A macroalga marinha vermelha S. filiformis foi coletada em cordas de cultivo localizadas aproximadamente 200 metros da costa, na praia de Flecheiras (03°13’06” S – 39°16’47” W), município de Trairi, a 130 Km de Fortaleza-CE. Para avaliar o efeito do tempo de extração sobre o rendimento e a produtividade de R-FE de S. filiformis no extrato bruto proteico, a macroalga úmida, lavada e triturada em moinho elétrico foi colocada em contato com tampão fosfato de potássio 0,025 M, pH 6,5 (PB), na proporção de 1:3 (m/v). Os homogenatos obtidos a partir de diferentes tempos de extração (1, 2, 3, 4, 5 e 6 horas) foram mantidos sob agitação constante a 4 °C e protegidos da luz. Posteriormente, foram filtrados em tecido de trama fina, os resíduos descartados e os filtrados centrifugados a 17.000 x g, 4 °C por 30 minutos. Os sobrenadantes obtidos, denominados extratos brutos, foram avaliados quanto aos teores de proteínas e rendimento de R-FE. O extrato bruto com maior produtividade foi utilizado para dar prosseguimento ao processo de purificação e foi denominado extrato bruto proteico de S. filiformis (EBP-Sf). O EBP-Sf foi submetido a uma precipitação proteica em diferentes faixas de saturação de sulfato de amônio (F0/20, F20/40, F40/60, F60/80, F80/90, F90/100 e F0/90), durante 12 horas, à temperatura de 4 °C. Após centrifugação a 17.000 x g, 4 °C por 30 minutos, os precipitados proteicos de cada faixa foram solubilizados em PB e submetidos à dialise (cutoff 12 kDa) contra água destilada e PB. Em seguida, os teores de proteína e R-ficoeritrina das frações proteicas foram determinados. Desta forma, foi definido a metodologia para extração e precipitação por sulfato de amônio do pigmento R-Ficoeritrina da macroalga marinha vermelha Solieria filiformis.