Anais CBFic - Volume 1 - 2018

Sociedade Brasileira de Ficologia - SBFic

Publicado em 26/11/2018

Volume 1 - 2019

Título do Trabalho

SERVIÇOS ECOSSISTÊMICOS FORNECIDOS PELOS CULTIVOS DE MACROALGAS: UM ESTUDO DE CASO EM RIO DO FOGO, RN

Autores

ANA BEATRIZ GOMES FERREIRA, RODRIGO HERICO RODRIGUES DE MELO SOARES , MARCELLA ARAúJO DO AMARAL CARNEIRO, HENRIQUE DOUGLAS DOS SANTOS BORBUREMA, ELIANE MARINHO-SORIANO

Modalidade

Resumo

Área Temática

2 CULTIVO DE ALGAS E SERVIçOS ECOSSISTêMICOS

Data de Publicação

26/11/2018

País da Publicação

Brasil

Idioma da Publicação

Português

Página do Trabalho

http://sbfic.org.br/anais_show/70

ISSN

Aguardando...

Palavras-Chave

Serviços ecossistêmicos; Maricultura; Macroalgas.

Resumo

Cultivos de algas marinhas fornecem uma série de serviços ecossistêmicos, que abrangem as esferas ambientais, sociais e econômicas. As interações que ocorrem entre as macroalgas cultivadas e o ambiente do seu entorno, geram processos e componentes ecossistêmicos que influenciam de forma direta e indireta o bem-estar humano. Sobre esse aspecto, o presente trabalho teve como objetivo proporcionar uma avaliação qualitativa dos serviços ecossistêmicos oferecidos pelo cultivo de macroalgas marinhas (Gracilaria birdiae), localizado no Munícipio de Rio do Fogo, Rio Grande do Norte. Para a identificação dos serviços ecossistêmicos, foi feita uma amostragem inicial no local de estudo, seguida de uma revisão bibliográfica com temas pertinentes ao assunto e documentos elaborados pelo TEEB (The Economics of Ecosystems and Biodiversity working group). De acordo com a literatura, os serviços ecossistêmicos podem ser divididos em quatro diferentes grupos/funções, considerando a riqueza ecológica dos ambientes: os serviços de regulação, de suporte, de provisão e culturais. Vários serviços ecossistêmicos foram identificados no cultivo de macroalgas, dentre eles podemos citar: 1) os serviços de regulação (39%), uma vez que as algas marinhas são produtores primários, e por esse motivo absorvem CO2 durante a fotossíntese, contribuindo, desta forma, para a regulação climática local/global, além de participar na ciclagem de nutrientes; 2) os serviços de suporte (11%), pois as macroalgas cultivadas podem influenciar diretamente na dinâmica de interações entre os organismos e o ecossistema, servindo de habitat para uma rica fauna associada; 3) os serviços de provisão (28%), nos quais a matéria-prima produzida pelo cultivo poderá ser utilizada diretamente na produção de alimentos, ou em subprodutos com vasta aplicação comercial (ficocolóides, fármacos, etc.) e 4) os serviços culturais (22%), que representam os benefícios não materiais oferecidos pelos ecossistemas, e que para o nosso exemplo, podemos destacar os serviços de informação, ecoturismo e pesquisas científicas. Por meio deste estudo, podemos concluir que vários serviços ecossistêmicos são fornecidos pelo cultivo de G. birdiae localizado em Rio do Fogo, e que, de maneira geral, cultivos de macroalgas podem contribuir para a conservação ambiental e para o bem-estar humano.