Anais CBFic - Volume 1 - 2018

Sociedade Brasileira de Ficologia - SBFic

Publicado em 26/11/2018

Volume 1 - 2019

Título do Trabalho

CARACTERIZAÇÃO DE MACROALGAS DE POÇAS DE MARÉ EM COSTÕES ROCHOSOS NO NORTE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Autores

WILLIAN DE SOUZA COSTA, LíSIA MôNICA DE SOUZA GESTINARI

Modalidade

Resumo

Área Temática

1 BIODIVERSIDADE, FILOGENIA E ECOFISIOLOGIA

Data de Publicação

26/11/2018

País da Publicação

Brasil

Idioma da Publicação

Português

Página do Trabalho

http://sbfic.org.br/anais_show/69

ISSN

Aguardando...

Palavras-Chave

Macroalgas; Poças de Maré; Biodiversidade; Costões Rochosos

Resumo

INTRODUÇÃO. Costões rochosos (CR) são extremamente importantes pois alta diversidade de espécies colonizam sua superfície e apresentam elevadas taxas de biomassa e produção primária. Em geral são suscetíveis à influência dos processos terrestres e marinhos que controlam e modulam a estrutura do ambiente e a abundância dos indivíduos. As poças de maré (PM) são ecossistemas típicos da zona entre-marés caracterizadas por uma elevada complexidade estrutural, são formadas por depressões nas rochas, suscetíveis à dinâmica marinha e variações atmosféricas; consequentemente apenas espécies adaptadas são capazes de sobreviver nesses micro-hábitats hostis. Neste contexto, as macroalgas marinhas desenvolvem um papel ecologicamente importante, uma vez que estão distribuídas por todo ecossistema rochoso fornecendo alimento e abrigo para toda a fauna associada, protegem-nos contra predadores, ação das ondas e dessecação. OBJETIVO: Caracterizar quali-quantitativamente as espécies de macroalgas presentes em PM dos CR dos municípios de Macaé (praia dos Cavaleiros e Arquipélago de Santana), Rio das Ostras (praia das Areias Negras) e Armação dos Búzios (praia Rasa). METODOLOGIA. Em cada ponto de estudo foram selecionadas duas PM em cada CR. Os dados amostrais foram coletados em períodos trimestrais entre agosto de 2017 e março de 2018. Foram realizados os registros das características físico-químicas da água e da complexidade estrutural das PM. Os dados quantitativos foram obtidos após a drenagem da água através de fotoregistros de em média 8 quadrats de 400cm² para análise do percentual de cobertura da macroflora calculado através do software CPCe (Coral Point Count with Excel extensions). Levantamentos qualitativos foram realizados através da coleta de algas para posterior identificação taxonômica. RESULTADOS. Até o momento, na área de estudo foram identificados 45 táxons da flora sendo 5 gêneros do filo Chlorophyta (10; 22,22%), 11 gêneros de Ochrophyta (16; 35,55%) e 17 gêneros de Rhodophyta (19; 42,23%). Além das macroalgas, obtivemos o registro de 15 espécies da fauna acompanhante, dos grupos Mollusca, Crustacea, Echinodermata, Porifera e Cnidaria. O percentual de cobertura aponta predominância do filo Chlorophyta 55%, Ochrophyta 8% e Rhodophyta 6%. Os tipos morfo-funcionais mais representativos foram: Alga calcária articulada 33%, crostosa 32,6%, filamentosa 29,8%, ramificada 4,6% e turf algae 0,1%. CONCLUSÃO. De acordo com a sazonalidade verificou-se a mudança na cobertura dos organismos. Com exceção das poças de Búzios, registrou-se a predominância de Chlorophyta, como a Ulva, em todas as poças amostradas. O mesmo padrão não pode ser observado em relação à fauna. APOIO FINANCEIRO: FUNBIO