Anais CBFic - Volume 1 - 2018

Sociedade Brasileira de Ficologia - SBFic

Publicado em 26/11/2018

Volume 1 - 2019

Título do Trabalho

SELEçãO DE HABITAT E ALIMENTO POR ANFíPODAS (AMPITHOE SP.) ASSOCIADOS àS MACROALGAS

Autores

MARCELLE STEPHANNE BARBOSA DA SILVA, JúLIA FANNY DE JESUS RESENDE, FELIPE DE OLIVEIRA FERNANDES, ELIANE MARINHO-SORIANO

Modalidade

Resumo

Área Temática

1 BIODIVERSIDADE, FILOGENIA E ECOFISIOLOGIA

Data de Publicação

26/11/2018

País da Publicação

Brasil

Idioma da Publicação

Português

Página do Trabalho

http://sbfic.org.br/anais_show/66

ISSN

Aguardando...

Palavras-Chave

Fauna associada. Macroalgas. Escolha alimentar. Seleção de habitat.

Resumo

As macroalgas desempenham importantes funções nos ecossistemas marinhos ao servirem como habitat e recurso alimentar para a fauna associada. As diferentes características das macroalgas (valor nutricional, palatabilidade, metabólitos secundários, rigidez e complexidade estrutural) define qual espécie tem maior potencial como alimento e/ou habitat. Experimentos em laboratório foram conduzidos com o objetivo de avaliar a preferência alimentar e escolha de habitat por anfípodas herbívoros (Ampithoe sp.) entre Sargassum vulgare e Gracilaria cervicornis. Os dois experimentos foram realizados com cinco réplicas. No primeiro experimento, foram ofertados 100 mg das duas espécies de macroalgas para cinco anfipodas e, após 72 horas, os pedaços algais foram novamente pesados para determinar o consumo. No segundo experimento, cinco animais foram liberados em cada aquário, onde um fragmento de cada macroalga foi disposto em lados opostos. Após 24 horas, os fragmentos de algas foram inspecionados para a contabilização dos animais. A análise estatística utilizada para testar qual alga teve maior preferência pelos anfipodas foi a ANOVA em blocos. O experimento de preferência alimentar mostrou que os anfipodas consumiram mais G. cervicornis (15 ± 8 mg) do que S. vulgare (2 ± 2 mg). O inverso foi observado para o segundo experimento, onde S. vulgare (2,8 ± 0,8 indivíduos) apresentou maior número de animais abrigados do que G. cervicornis (0,6 ± 0,9 indivíduos). A preferência alimentar por G. cervicornis deve-se a essa espécie ser mais palatável que S. vulgare. Quanto à escolha de habitat, S. vulgare provê mais abrigo por possuir maior complexidade estrutural e oferece maior proteção devido à produção de metabólitos secundários capazes de repelir possíveis predadores.