Anais CBFic - Volume 1 - 2018

Sociedade Brasileira de Ficologia - SBFic

Publicado em 26/11/2018

Volume 1 - 2019

Título do Trabalho

AVALIAçãO DA CAPACIDADE INOVATIVA NA INDúSTRIA NO USO DE ALGAS SOBRE A óTICA PATENTáRIA BRASILEIRA

Autores

GERMANA NOGUEIRA BEZERRA, MARCELLO CARVALHO REIS, ANDRé LUIS COELHO DA SILVA

Modalidade

Resumo

Área Temática

3 BIOTECNOLOGIA E INOVAçõES

Data de Publicação

26/11/2018

País da Publicação

Brasil

Idioma da Publicação

Português

Página do Trabalho

http://sbfic.org.br/anais_show/60

ISSN

Aguardando...

Palavras-Chave

Prospecção Tecnológica; Algas; Indústria; Patentes

Resumo

A indústria tem cada vez mais buscado inovar em seus produtos e processos, atrelando a aplicações biotecnológicas. Um dos muitos organismos estudados para essa utilização são as algas, seres eucariotos fotossintetizantes, presentes em sistemas aquáticos, que apresentam estruturas vegetativas com pouca ou nenhuma diferenciação celular. Todavia, são organismos muito distintos entre si quanto a origem, composição química e morfologia. As algas podem ser utilizados para extração de ficocoloides ou outras moléculas orgânicas, como o ágar e o β-caroteno, de interesse industrial. Além disso, há projetos objetivando a produção de biocombustíveis a partir da extração de óleos presente na composição da alga e sua biomassa sendo usada para complementação alimentar, o que indica uma ampla possibilidade de aplicação desse organismo em diferentes áreas. Com a objetivo de avaliar a capacidade inovativa das tecnologias envolvidas neste cenário, foram utilizados os dados dos documentos patentários extraídos da base INPI-BR onde foram selecionados 362 documentos de patentes sendo 123 relacionados à assuntos pertinentes ao tema algas na indústria depositados entre o período de 2004 a 2016, sendo 48 sobre obtenção de compostos de algas, 29 sobre tratamento contra algas, 23 sobre produção de algas e 23 sobre algas como componente do produto. Verificou-se que os documentos patentários tiveram mais incidente de origem nos escritórios americano e brasileiro, tendo como seu maior depositário, a empresa americana Heliae Dev LLC.