Anais CBFic - Volume 1 - 2018

Sociedade Brasileira de Ficologia - SBFic

Publicado em 26/11/2018

Volume 1 - 2019

Título do Trabalho

MORFOLOGIA E ECOLOGIA DE COCCONEIS SAWENSIS AL-HANDAL ET RIAUX-GOBIN (BACILLARIOPHYTA) ESPéCIE MARINHA POUCO CONHECIDA NO BRASIL

Autores

LETíCIA DONADEL, LEZILDA CARVALHO TORGAN , ADIL Y. AL-HANDAL

Modalidade

Resumo

Área Temática

1 BIODIVERSIDADE, FILOGENIA E ECOFISIOLOGIA

Data de Publicação

26/11/2018

País da Publicação

Brasil

Idioma da Publicação

Português

Página do Trabalho

http://sbfic.org.br/anais_show/56

ISSN

Aguardando...

Palavras-Chave

diatomáceas, taxonomia, distribuição geográfica

Resumo

Cocconeis sawensis foi recentemente descrita para lagos salinos do Sul do Iraque como epífita em Chara sp., posteriormente foi registrada em uma ilha do Sul do Pacífico e como epizóica em peixe-boi na baia da Florida, USA. Recentemente, a espécie foi encontrada aderida à Cladophora sp. em uma lagoa costeira no sul do Brasil. O presente estudo tem como objetivos apresentar as variações morfométricas da espécie e as suas adaptações as diferentes condições ambientais. O estudo foi baseado em amostras coletadas no plâncton e epifíton na Lagoa do Peixe (31°26’25.19”S, 51°09’45.24”W), na análise do material tipo e nas imagens obtidas de indivíduos registrados na baia da Flórida. O material fixado foi observado inicialmente ao microscópio óptico para observação das células com cloroplastos e sua fixação no substrato, sendo posteriormente oxidado e limpo para análise ao microscópio eletrônico de varredura e de transmissão. Os resultados das análises demonstraram que os espécimens da Lagoa do Peixe apresentaram algumas variações em relação ao material tipo. As valvas são mais largamente cuneadas a arredondadas e de menor dimensão. A densidade de estrias mostram maior amplitude de variação nas valvas com e sem rafe e a densidade de aréolas é menor na valva com rafe. As fimbrias são alongadas e desiguais no comprimento e na forma. Diferenças no arranjo dos himens também foram observados na valva sem rafe. As diferenças na forma e densidade de estrias e aréolas estão provavelmente associadas a mais baixa salinidade da Lagoa do Peixe (10%o) em comparação com o lago salino isolado do Iraque (34%o). A espécie parece não exibir preferência por substrato pois foi encontrada tanto sobre macroalgas como sobre a pele de animal aquático. Este estudo permitiu ampliar o conhecimento da morfologia e distribuição geográfica da espécie, que se constitui em primeira citação para o Brasil.