Anais CBFic - Volume 1 - 2018

Sociedade Brasileira de Ficologia - SBFic

Publicado em 26/11/2018

Volume 1 - 2019

Título do Trabalho

CHLOROPHYTA COMO INDICADORAS DA QUALIDADE AMBIENTAL NA PRAIA DO PINA - RECIFE - PERNAMBUCO

Autores

LUCAS ALVES DE ANDRADE , MATHEUS FELIPE DE SOUZA DIAS DA SILVA, PAULA REGINA FORTUNATO DO NASCIMENTO

Modalidade

Resumo

Área Temática

1 BIODIVERSIDADE, FILOGENIA E ECOFISIOLOGIA

Data de Publicação

26/11/2018

País da Publicação

Brasil

Idioma da Publicação

Português

Página do Trabalho

http://sbfic.org.br/anais_show/178

ISSN

Aguardando...

Palavras-Chave

Bioindicadoras, Macroalgas, Eutrofização, Formações Recifais

Resumo

As comunidades marinhas sofrem os impactos da exploração descontrolada dos organismos, introdução de espécies exóticas, eutrofização, modificação de hábitats e mudanças climáticas globais. As comunidades de algas são consideradas excelentes descritores dos ecossistemas, sendo amplamente utilizadas para caracterizar e monitorar os ecossistemas aquáticos, através de dados de composição de espécies e abundância. Por serem organismos sésseis, possuírem ampla distribuição, capacidade de acumular metais pesados e responderem a modificações no ambiente através da dominância ou desaparecimento de espécies tolerantes, tornam as macroalgas eficientes sensores biológicos. O presente estudo teve como objetivo realizar um levantamento das espécies de Chlorophyta bioindicadoras da qualidade ambiental encontradas na praia do Pina - Recife – PE. Foram realizadas coletas de material ficológico nos meses de maio a junho/2017; agosto a novembro/2017 e de junho a outubro/2018, estas foram feitas nos recifes de arenito na região de mesolitoral, a partir de buscas intensivas. Utilizou-se espátula para retirada das algas do substrato e de potes plásticos para o seu armazenamento. As mesmas foram levadas para o Laboratório Geral da Faculdade Frassinetti do Recife, triadas e fixadas em solução de formol a 4%, armazenadas e devidamente identificadas. Para a identificação taxonômica foram utilizadas análises morfológicas de estruturas internas e externas, com auxilio microscópio óptico e literatura pertinente para identificação. Foi identificado um total de 19 espécies do filo Chlorophyta, distribuídos em 3 ordens e 8 famílias. As ordens encontradas foram Bryopsidales (9), Cladophorales (6) e Ulvales (4) e as famílias mais representativas foram Caulerpaceae (7), Cladophoraceae (3) e Ulvaceae (3), presentes o gênero Caulerpa (7) e Ulva (3). Um total de oito espécies foram identificadas como bioindicadora associado a má qualidade ambiental: Bryopsis pennata J.V. Lamouroux, Bryopsis plumosa (Hudson) C.Agardh, Caulerpa fastigiata Montagne, Cladophora vagabunda (Linnaeus) Hoek, Cladophora prolifera (Roth) Kützing,, Ulva fasciata Delile, Ulva flexuosa Wulfen, Ulva lactuca Linnaeus. A presença destas espécies no ambiente é comum, quando sua população é controlada, mas na presente área foi possível observar e constatar uma grande concentração de bancos destas algas ao decorrer do período de observações. A proliferação e permanência destas espécies podem ter sido provocadas pelo grande despejo de esgoto observado nesta região contribuindo com o processo de eutrofização.