Anais CBFic - Volume 1 - 2018

Sociedade Brasileira de Ficologia - SBFic

Publicado em 26/11/2018

Volume 1 - 2019

Título do Trabalho

DISTRIBUIçãO ESPACIAL DE MACROALGAS AO LONGO DE UM GRADIENTE DE SALINIDADE EM AMBIENTE HIPERSALINO (RN, BRASIL)

Autores

RODRIGO HERICO RODRIGUES DE MELO SOARES, FELIPE DE OLIVEIRA FERNANDES, ELIANE MARINHO-SORIANO

Modalidade

Resumo

Área Temática

1 BIODIVERSIDADE, FILOGENIA E ECOFISIOLOGIA

Data de Publicação

26/11/2018

País da Publicação

Brasil

Idioma da Publicação

Português

Página do Trabalho

http://sbfic.org.br/anais_show/165

ISSN

Aguardando...

Palavras-Chave

Macroalgas, Salinas, Gradiente de salinidade, Distribuição espacial.

Resumo

A composição e a distribuição das macroalgas ao longo de um gradiente de salinidade foram estudadas em uma salina artificial do litoral do Rio Grande do Norte. A abundância, riqueza, composição e distribuição das macroalgas são influenciadas por diversos fatores ambientais. Nesse estudo, o padrão de distribuição das macroalgas foi diferente entre os pontos amostrados. Em geral, a riqueza de espécies diminuiu com o aumento da salinidade. A área mais próxima do local de captação da água do mar foi o setor com o maior número de espécies (n = 27). Isto esteve associado ao fato de que, nesse setor, a salinidade é mais próxima à do ambiente marinho e existe uma maior disponibilidade de substrato consolidado que favorece a fixação das algas. Espécies do gênero Gracilaria ficaram restritas à área onde a salinidade não excedia 40 PSU, enquanto que as espécies do gênero Acanthophora e Acetabularia mostraram uma maior tolerância a salinidades mais elevadas (>50 PSU). A salinidade, assim como a temperatura, nitrito e nitrato, exerceu influência negativa sobre a composição da comunidade de macroalgas de acordo com o modelo de análise de redundância (RDA). Por outro lado, o pH influenciou positivamente a presença de Acetabularia sp., Amphiroa fragilissima, Hypnea sp., Gracilaria caudata, Jania sp. e Ceramium sp., enquanto que a profundidade esteve positivamente relacionada com Caulerpa racemosa, C. prolifera, Wrangelia argus e Champia sp. A partir desses resultados, foi possível determinar diferenças na composição e distribuição das macroalgas nos diferentes setores estudados, sendo estas diferenças causadas pela interação dos fatores ambientais.