Anais CBFic - Volume 1 - 2018

Sociedade Brasileira de Ficologia - SBFic

Publicado em 26/11/2018

Volume 1 - 2019

Título do Trabalho

PRODUÇÃO DE CELULASES POR FUNGO UTILIZANDO CHLORELLA VULGARIS COMO SUBSTRATO

Autores

LARISSA RIBEIRO MARTINS, CâNDIDA NATHALY CORDEIRO SOUTO, AMANDA MARIA DA SILVA SANTOS, DEVSON PAULO PALMA GOMES, SáVIA GAVAZZA, MARIO TAKAYUKI KATO, LOURDINHA FLORENCIO

Modalidade

Resumo

Área Temática

4 USO SUSTENTáVEL DE ALGAS E OUTROS

Data de Publicação

26/11/2018

País da Publicação

Brasil

Idioma da Publicação

Português

Página do Trabalho

http://sbfic.org.br/anais_show/164

ISSN

Aguardando...

Palavras-Chave

microalgas, Chlorella vulgaris, produção de enzimas, fungos, sustentabilidade

Resumo

A produção de celulases utilizando substratos alternativos tem sido investigada como uma estratégia interessante para reduzir os custos associados à aplicação de enzimas para produção de biocombustíveis. Com o crescente interesse na utilização de microalgas, associados às suas vantagens em comparação com matérias-primas terrestres, uma nova perspectiva para a produção de celulases foi investigada. Nesse contexto, o presente trabalho teve como objetivo avaliar a produção das celulases por fungo utilizando Chlorella vulgaris comercial como substrato. Para tal finalidade, a linhagem Aspergillus niger (URM 4645) da coleção de culturas URM (University Recife Mycologia) do Departamento de Micologia do Centro de Ciências Biológicas - UFPE foi utilizada e quantificada sua atividade enzimática (FPase e CMcase) por meio de fermentação submersa utilizando esgoto proveniente de tratamento anaeróbio como meio de cultura. A produção de celulases foi realizada em frascos erlenmeyer de 250 mL, em duplicata, incubados em agitador a 120 rpm, a 28 ºC. Para efeito comparativo, como substrato indutor de celulase, também foi testada a celulose microcristalina na mesma proporção da C. vulgaris (1,2 g/L). As atividades enzimáticas ao utilizar a celulose microcristalina como substrato foram de 0,146 U/mL e 0,312 U/mL, para FPase e CMCase, enquanto que ao utilizar C. vulgaris comercial, apresentou valores de 0,103 U/mL e 0,356 U/mL, respectivamente. A celulose é o principal polímero que compõe a parede celular dessa espécie, entretanto compreende somente cerca de 70-80% da massa seca (ABOSHADY et al., 1993), fato esse, que corroborou com uma menor atividade enzimática ao usar esse substrato. No entanto, como forma de minimizar os custos associados à aquisição da celulose microcristalina, os resultados apresentados demonstraram a viabilidade do uso da microalga Chlorella vulgaris como substrato para a produção in situ de celulases.