Anais CBFic - Volume 1 - 2018

Sociedade Brasileira de Ficologia - SBFic

Publicado em 26/11/2018

Volume 1 - 2019

Título do Trabalho

AVALIAÇÃO DE DIFERENTES MISTURAS DE SOLVENTES NA EXTRAÇÃO DE LIPÍDIOS DE MICROALGAS VISANDO À PRODUÇÃO DE METANO

Autores

LARISSA RIBEIRO MARTINS, AMANDA MARIA DA SILVA SANTOS, ANTONIO GUSTAVO DOS SANTOS NETO, CâNDIDA NATHALY CORDEIRO SOUTO, PAULO HENRIQUE DA SILVA, SáVIA GAVAZZA, MARIO TAKAYUKI KATO, LOURDINHA FLORêNCIO

Modalidade

Resumo

Área Temática

4 USO SUSTENTáVEL DE ALGAS E OUTROS

Data de Publicação

26/11/2018

País da Publicação

Brasil

Idioma da Publicação

Português

Página do Trabalho

http://sbfic.org.br/anais_show/162

ISSN

Aguardando...

Palavras-Chave

Chlorella vulgaris , Desmodesmus subspicatus, extração de lipídios, atividade metanogênica.

Resumo

O esgotamento das reservas de combustíveis fósseis tem promovido pesquisas intensivas sobre a produção de biocombustíveis usando microalgas. Os processos atuais utilizados para a produção de biodiesel através desses micro-organismos utiliza apenas sua fração lipídica, gerando em torno de 60-70% de biomassa residual. A digestão anaeróbia é uma tecnologia promissora para a gestão desse resíduo, permitindo o tratamento e disposição final adequado, ao mesmo tempo em que gera energia na forma de metano (CH4). Neste sentido, a presente pesquisa avaliou a extração lipídica de Chlorella vulgaris (C) e Desmodesmus subspicatus (D) por diferentes misturas de solventes e sua influência sobre a produtividade de CH4. Para extração, foi utilizado o método de soxhlet, com dois tipos de misturas de solventes: clorofórmio-metanol (2: 1 v/v) e etanol-hexano (2,5: 1 v/v). Para determinar o potencial bioquímico de metano (BMP) foram realizados testes em batelada, com a biomassa “in natura” e as biomassas residuais após extração lipídica. A relação substrato/inóculo utilizada foi de 0,5g DQO biomassa/g SV inóculo. Os resultados obtidos apresentaram maiores rendimentos lipídicos com o uso do clorofórmio-metanol (C/M) para ambas as espécies (26% para C. vulgaris e 37% para D. subspicatus) em comparação ao etanol-hexano (E/H) (19% para C. vulgaris e 34% para D. subspicatus). No entanto, em relação à produtividade de CH4, as amostras extraídas com C/M foram inferiores às amostras extraídas com E/H. A produção acumulada de metano para a biomassa de C. vulgaris “in natura” e os resíduos após extração lipídica (C-C/M e C-E/H), apresentou um volume final de 60,3 mL CH4/g DQO, 37 CH4/g DQO e 65 mL CH4/g DQO, respectivamente. Enquanto que, para a biomassa de D. subspicatus “in natura” e os resíduos após extração lipídica (D-C/M e D-E/H), os valores foram de 163,1 mL CH4/g DQO, 113,6 CH4/g DQO e 149,9 mL CH4/g DQO, respectivamente. A partir dos resultados obtidos é possível observar que a mistura de C/M foi mais eficiente para a extração de lipídios do que E/H. Dessa forma, se o objetivo for uma rápida extração e maior rendimento lipídico, essa mistura deve ser utilizada. Entretanto, para a produção de CH4, seus resíduos podem causar efeitos inibitórios sob as bactérias metanogênicas no processo de digestão anaeróbia. De forma geral, o uso das misturas de solventes, na etapa da extração lipídica, apresentou um efeito importante no rendimento de CH4 para ambas as espécies.