Anais CBFic - Volume 1 - 2018

Sociedade Brasileira de Ficologia - SBFic

Publicado em 26/11/2018

Volume 1 - 2019

Título do Trabalho

CIANOBACTéRIA DA REPRESA RIO GRANDE (SISTEMA BILLINGS) SãO PAULO, BRASIL

Autores

EDNA FERREIRA ROSINI, ANA CAROLINE DE JESUS MAFRA, DARAH DANIELLE PONTES

Modalidade

Resumo

Área Temática

1 BIODIVERSIDADE, FILOGENIA E ECOFISIOLOGIA

Data de Publicação

26/11/2018

País da Publicação

Brasil

Idioma da Publicação

Português

Página do Trabalho

http://sbfic.org.br/anais_show/149

ISSN

Aguardando...

Palavras-Chave

Fitoplâncton, Dolichospermum, monitoramento, Radiocystis,

Resumo

Apesar da importância da represa Rio Grande (Sistema Billings) para o abastecimento público da região metropolitana de São Paulo e da importância sanitária e ambiental das cianobactérias, principalmente em reservatório de abastecimento, poucos são os estudos que descrevem a flora de cianobactérias do reservatório Rio Grande. Assim, o objetivo desse trabalho é fazer um levantamento florístico das cianobactérias nesse reservatório. As coletas de água foram realizadas no período seco (agosto/2016) e chuvoso (fevereiro/2017) próximo ao local de captação de água a ser transposta para a represa Taiaçupeba. As amostras de água foram coletadas na sub superfície com rede de plâncton espessura 20 um, e preservada com formol na proporção de 1:1. A análise taxonômica foi feita através de microscópio óptico em aumento de 400x e 1000x. Foram identificadas vinte e uma espécies de cianobactérias distribuídas em cinco ordens. Synechococcales foi a ordem com maior riqueza específica (9 táxons), seguida por Nostocales (5 táxons) e Chroococcales (4 Táxons). Oscillatoriales e Spirulinales contribuíram com um táxon cada. Dentre os gêneros identificados Dolichospermum (Rafs ex Bornet & Flahault) Wackilin, Hoffmann & Komárek (quatro espécies) e Microcystis Kützing (três espécies) foram os que apresentaram maior riqueza de espécies. Foi registrada sutil diferença na riqueza específica entre os períodos analisados. No período chuvoso foram identificadas 8 espécies e no período seco dez, três espécies (Dolichospermum circinale (Rabenhorst ex Bornet e Flahault) P.Wacklin, L.Hoffmann & J.Komárek, D. planctonicum (Brunnthaler) Wacklin, L.Hoffmann & Komárek e Synechocystis aquatilis Sauvageau) foram registradas nos dois períodos. O conhecimento da biodiversidade no reservatório Rio Grande mostrou-se relevante uma vez que, o estudo taxonômico neste ambiente ampliou a distribuição de espécies, especialmente aquelas produtoras de toxinas, como é o caso de Radiocystis fernandoi Komárek & Komárková-Legnerová e Dolichospermum crassum (Lemmermann) P.Wacklin, L.Hoffmann & J. Komárek produtoras de microcistinas, relacionada a incidência de câncer em populações expostas cronicamente a esta toxina e Woronichinia naegeliana (Unger) Elenkin com algumas linhagens capazes de produzir hepatotoxinas e também neurotoxinas. Considerando que estas espécies foram encontradas em águas a ser transposta para o reservatório Taiaçupeba, o que possibilita a inserção desses organismos nesse ambiente, bem como de outros igualmente tóxicos, ressalta-se a importância do monitoramento da densidade desses organismos nesses ambientes.