Anais CBFic - Volume 1 - 2018

Sociedade Brasileira de Ficologia - SBFic

Publicado em 26/11/2018

Volume 1 - 2019

Título do Trabalho

FITOPLâNCTON NO RESERVATóRIO XINGó (SUBMéDIO SãO FRANCISCO) E BAIXO SãO FRANCISCO

Autores

MARIA EDUARDA SOUZA GOMES, MARISTELA CASé COSTA CUNHA, BRENNDA THAIS ALVES DE SOUZA, ALINE TEIXEIRA DE ANDRADE

Modalidade

Resumo

Área Temática

1 BIODIVERSIDADE, FILOGENIA E ECOFISIOLOGIA

Data de Publicação

26/11/2018

País da Publicação

Brasil

Idioma da Publicação

Português

Página do Trabalho

http://sbfic.org.br/anais_show/145

ISSN

Aguardando...

Palavras-Chave

Reservatório, Cyanophyta, São Francisco

Resumo

O fitoplâncton é o conjunto de microrganismos fotossintetizantes que compõe a base da cadeia trófica aquática. Esses organismos são sensíveis às mudanças ambientais, sendo relevantes para o gerenciamento limnológico. O reservatório Xingó está localizado entre os estados da Bahia, Alagoas e Sergipe, abrangendo o trecho lótico a jusante até a foz do rio São Francisco. Esse estudo objetivou conhecer a comunidade fitoplanctônica do reservatório de Xingó, e do Baixo São Francisco e verificar sua variação espacial e temporal. As coletas foram realizadas pelo Laboratório Água e Terra, nos meses de agosto e novembro/2017, com arrastos superficiais e verticais, no percurso do reservatório e do trecho de rio, de acordo com a CETESB (1990). Em laboratório, as amostras foram analisadas em microscópio óptico binocular (ZEISS, modelo Scope. A1), com aumento 40x. A identificação ocorreu por meio da observação das características morfológicas comparadas a bibliografias especializadas. A quantificação ocorreu utilizando câmara Palmer Malony. Foram calculados riqueza e densidade média (células/mL). A flora fitoplanctônica foi caracterizada por Cyanophyta, Chlorophyta, Bacillariophyta, Dinophyta, Cryptophyta e Euglenophyta, totalizando 56 táxons infragenéricos. Em agosto, foram contabilizados 27 táxons em Xingó e 20 em BSF. Em novembro foram 18 em Xingó e 28 em BSF. Espacialmente, a riqueza em Xingó foi menor no ponto na entrada do reservatório, e maior nos pontos centrais, sendo a divisão Chlorophyta mais expressiva. Em BSF, a divisão mais representativa em riqueza foi Bacillariophyta, variando de um táxon no mês de agosto/ 2017 a doze táxons e novembro/2017. A maior densidade de Xingó foi no mês de novembro, totalizando um valor de 10.017 células/mL, sendo melhor representada por Cyanophyta. Com relação à jusante do reservatório, a maior densidade foi no mesmo mês com total de 384 células/mL, possivelmente por se tratar de um ambiente lótico, observando assim as maiores densidades em ambos locais, no mês de novembro, sendo a cianobactéria Cylindrospermopsis raciborskii a maior contribuinte para essa elevação. A comunidade fitoplanctônica foi composta por divisões semelhantes a outros ambientes do Nordeste, sendo Chlorophyta mais representativa para riqueza nos dois ambientes analisados, seguido de Cyanophyta em Xingó e Bacillariophyta no Baixo São Francisco. Sobre variação temporal, novembro teve maiores valores de riqueza e densidade em ambos locais, e espacialmente a riqueza foi maior no reservatório de Xingó do que em BSF. A presença das cianobactérias é marcante em densidade, sobretudo a espécie Cylindrospermopsis raciborskii.