Anais CBFic - Volume 1 - 2018

Sociedade Brasileira de Ficologia - SBFic

Publicado em 26/11/2018

Volume 1 - 2019

Título do Trabalho

ESTADO ECOLóGICO DA COMUNIDADE FITOPLANCTôNICA E CONCENTRAçõES DE CLOROFILA A EM UMA LAGUNA COSTEIRA EUTROFIZADA (SãO LUíS – MARANHãO)

Autores

JORDANA ADORNO FURTADO, ANA KAROLINE DUARTE DOS SANTOS, LISANA FURTADO CAVALCANTE, MARCO VALéRIO JANSEN CUTRIM, AMANDA LORENA LIMA OLIVEIRA, BETHâNIA DE OLIVEIRA ARAúJO, NáGELA GARDêNIA RODRIGUES DOS SANTOS

Modalidade

Resumo

Área Temática

2 CULTIVO DE ALGAS E SERVIçOS ECOSSISTêMICOS

Data de Publicação

26/11/2018

País da Publicação

Brasil

Idioma da Publicação

Português

Página do Trabalho

http://sbfic.org.br/anais_show/125

ISSN

Aguardando...

Palavras-Chave

Fitoplâncton, Laguna Costeira, Eutrofização

Resumo

Lagunas costeiras estão entre os ecossistemas mais produtivos e complexos do planeta.Tais ambientes sofrem alterações de origem antrópica como descarga de efluentes domésticos que podem estimular a ocorrência de florações, promovendo o crescimento excessivo de organismos fotossintetizantes. O fitoplâncton é o principal produtor primário dos ambientes costeiros, e caracterizam-se como importante ferramenta para avaliar a qualidade da água, pois são sensíveis indicadores biológicos. Diante disso, esse trabalho objetivou quantificar e avaliar a densidade fitoplanctônica, indices ecologicos e concentrações de clorofila a na Laguna da Jansen, São Luís – Maranhão. A laguna da Jansen caracteriza-se como corpo d’água de origem antrópica, marcada pela contínua contaminação de efluentes domésticos. Foram realizadas campanhas durante período chuvoso (março e maio/2017) e de estiagem (outubro/2017), em nove pontos de amostragem. Para a determinação da densidade fitoplanctônica (cels.L-1) as amostras foram coletadas na sub-superfície com o auxílio de uma garrafa de Van Dorn, transferidos para frascos de polietileno de 250 mL e coradas com lugol (10%). Em laboratório, as amostras foram colocadas em câmaras de sedimentação (5 mL) e coradas adicionando-se Rosa de Bengala para a sedimentação por período de 24 horas. A contagem das células foi realizada através do método de Utermöhl em microscópio invertido e calculado o total de células em cada amostra. A estrutura da comunidade fitoplanctônica foi determinada pelos índices de diversidade, equitabilidade, riqueza, As concentrações de clorofila a foram mensuradas através de método espectrofotométrico. A densidade fitoplanctônica apresentou menores valores durante o período chuvoso (2,79x106±2,15x106 cels. L-1), quando comparado a estiagem (3,18x106±2,05x106 cels. L-1), apresentando a cianobactéria Microcystis aeruginosa como mais representativa (2,55x107 cels. L-1 ). A laguna apresentou baixa diversidade (H’), variando de 1,49±0,23 bits.cell-1 no período de estiagem a 1,72±0,46 bits.cell-1 na chuva. A riqueza (R’) obteve média de 2,28±0,61 na estiagem e 2,64±0,48 no período chuvoso. E a equitabilidade (J) apresentou 0,55±0,05 na estiagem e 0,62±0,18 na chuva, revelando-se baixa durante todo o estudo. Quanto as concentrações de clorofila a, os maiores teores ocorreram durante o período de estiagem, com média de 246,25±43,17 mg.mm-3, enquanto o período chuvoso obteve 80,190±61,634 mg.mm-3. Este cenário caracteriza a laguna como um sistema de alta produtividade, em especial durante a estiagem onde a deposição atmosférica favorece o aporte de nutrientes para o interior da laguna, que intensifica a ocorrência de microalgas extremamente oportunistas que podem produzir toxinas e serem bioacumuladas ao longo da cadeia trófica, bem como ocasionar danos à saúde pública.