Anais CBFic - Volume 1 - 2018

Sociedade Brasileira de Ficologia - SBFic

Publicado em 26/11/2018

Volume 1 - 2019

Título do Trabalho

ANáLISE CIENCIOMéTRICA DAS PESQUISAS BIOTECNOLóGICAS NA FICOLOGIA NOS úLTIMOS 5 ANOS NO BRASIL

Autores

ANDRESSA COIMBRA PEREIRA, GEORGE EMMANUEL CAVALCANTI DE MIRANDA

Modalidade

Resumo

Área Temática

3 BIOTECNOLOGIA E INOVAçõES

Data de Publicação

26/11/2018

País da Publicação

Brasil

Idioma da Publicação

Português

Página do Trabalho

http://sbfic.org.br/anais_show/122

ISSN

Aguardando...

Palavras-Chave

biotecnologia, cienciometria

Resumo

A biotecnologia é uma ciência que integra os conhecimentos da biologia, química e engenharia para o desenvolvimento de produtos e processos utilizando organismos vivos ou seus derivados. Neste estudo, o objetivo foi realizar uma análise cienciométrica com a finalidade de apontar as tendências das pesquisas ficológicas na área da biotecnologia nos últimos 5 anos no Brasil. Os levantamentos dos trabalhos foram feitos na plataforma do periódicos Capes, utilizando os filtros de data “01/09/2013 à 01/09/2018”, palavras-chaves “algae”, “biotechnology” e “Brazil”, publicados em periódicos revisados por pares. Utilizando esses parâmetros foram selecionados 129 artigos, sendo 111 de pesquisa básica ou aplicada e 18 de revisão bibliográfica. Os trabalhos foram divididos em 8 categorias: agricultura, alimentos, biocombustível, bioquímica, cultivo, indústria, meio ambiente e saúde. As áreas com maior produção foram: saúde (32,55%), bioquímica (17,82%), meio ambiente (15,50%), e biocombustível (10,07%). O Sudeste foi a região brasileira com a maior produção científica (41,86%), seguida das regiões Sul e Nordeste com produção equivalente (27,13%), o Centro-oeste e o Norte tiveram produções de 3,10% e 0,77% respectivamente. Entre as instituições de pesquisa (autor correspondente) a UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina) foi a instituição que mais publicou, representando 11,62% das publicações brasileiras, a UFC (Universidade Federal do Ceará) publicou 10,07%, a USP (Universidade de São Paulo) publicou 7,75%, a UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) publicou 6,97%, a UFF (Universidade Federal Fluminense), a UFPI (Universidade Federal do Piauí) e a UFRN (Universidade Federal do Rio Grande do Norte) foram responsáveis cada uma por 5,42% das publicações brasileiras. Os trabalhos foram publicados maioritariamente na revista Journal of Applied Phycology (19,37%), sendo expressivas também publicações na Acta Scientiarum (9,30%), Applied Biochemistry and Biotechnology (5,42%), e na Plos One (3,10%). Os anos de 2016 e 2017 foram os mais produtivos com 21,70% das publicações em cada ano, seguidos de 2014 com 19,37%, 2018 (01/09/2018 - em curso) com 16,27% e 2013 com 10,07%. O Filo mais estudado dentre as algas foi o Chlorophyta (31,31%), seguido do Rhodophyta (23,07%), Ochrophyta (17,58%), e Cyanobacteria (15,93%), os demais 5 grupos estudados juntos somaram 12,08%. Dentre os filos mais estudados, o gênero Chlorella correspondeu a 50,87% do Chlorophyta, Gracilaria correspondeu a 26,19% da Rhodophyta, Nannochloropsis juntamente com o Sargassum correspondem 28,12% cada entre as Ochrophyta, e a Arthrospira corresponde 53,33% das Cyanobacteria.