Anais CBFic - Volume 1 - 2018

Sociedade Brasileira de Ficologia - SBFic

Publicado em 26/11/2018

Volume 1 - 2019

Título do Trabalho

DIVERSIDADE FISIOLóGICA INTRAESPECíFICA EM MACROALGAS DE AMPLA DISTRIBUIçãO GEOGRáFICA

Autores

ESTELA M. PLASTINO

Modalidade

Resumo

Área Temática

1 BIODIVERSIDADE, FILOGENIA E ECOFISIOLOGIA

Data de Publicação

26/11/2018

País da Publicação

Brasil

Idioma da Publicação

Português

Página do Trabalho

http://sbfic.org.br/anais_show/111

ISSN

Aguardando...

Palavras-Chave

ecótipo, costa brasileira, aclimatação, adaptação, alternância de geração.

Resumo

Populações de macroalgas estão sujeitas a pressões ambientais que possibilitam expressões de aclimatação e adaptação. Adaptações a ambientes distintos resultam em populações geneticamente diferentes que recebem a denominação de ecótipos. Devido à extensa costa brasileira e distintas condições abióticas presentes ao longo dessa costa, a ocorrência de ecótipos em espécies de ampla distribuição geográfica não é improvável. Análises críticas dessa diversidade intraespecífica contribuem para vários campos da biologia, bem como para programas de preservação. O cultivo unialgáceo em condições controladas de laboratório possibilita o delineamento de experimentos que permitem avaliar o perfil fisiológico de indivíduos procedentes de diferentes populações em distintas condições abióticas (ex. irradiância, qualidade de luz, nutrientes, temperatura, ultra-violeta, etc). Essas condições podem ser facilmente manipuladas, o que permite avaliar seus efeitos no desempenho vegetativo e reprodutivo da espécie. Taxas de crescimento e fotossíntese são alguns dos parâmetros utilizados para caracterização dessas populações. Esses estudos têm possibilitado o reconhecimento de ecótipos e morfos. No caso de espécies que apresentam histórico de vida com alternância de gerações, esses estudos fisiológicos possibilitam interpretações sobre a diversidade intrapopulacional e também sobre a importância da manutenção desses históricos para a espécie frente à diversidade de condições a que estão sujeitos no ambiente. Ainda, em condições de laboratório, testes de cruzamentos entre indivíduos de populações distintas permitem conhecer as relações de trocas gênicas e definir se essas populações se encontram em processo de especiação. O uso de marcadores moleculares pode também contribuir na caracterização dessas populações, acrescentando atributos que possibilitam melhor avaliar os processos de adaptação e evolução da espécie. A análise global desses dados permite o conhecimento da diversidade intraespecífica, além de possibilitar uma melhor interpretação da ocorrência da espécie em determinados ecossistemas. Essa base de dados pode ser utilizada na seleção e delimitação de áreas para possíveis programas de conservação e também na seleção de linhagens para fins comerciais. Deve-se destacar ainda que a manutenção da variabilidade genética para a preservação de uma espécie é de fundamental importância, e essa variabilidade somente poderá ser conhecida com estudos abrangentes, que considerem a diversidade de uma espécie ao longo de sua distribuição geográfica. CNPq 300148/93-3. CAPES-001.