Anais CBFic - Volume 1 - 2018

Sociedade Brasileira de Ficologia - SBFic

Publicado em 26/11/2018

Volume 1 - 2019

Título do Trabalho

DIVERSIDADE MORFOLÓGICA E MOLECULAR DAS BRYOPSIDALES (CHLOROPHYTA) NO LITORAL DO ESTADO DE PERNAMBUCO

Autores

OLIVEIRA-CARVALHO, M.F., XIMENES, C.F, ROCHA, M.C.B.S, GARCIA, J.E, PEREIRA, S.M.B, BENKO-ISEPPON, A.M, VALERIA CASSANO

Modalidade

Resumo

Área Temática

1 BIODIVERSIDADE, FILOGENIA E ECOFISIOLOGIA

Data de Publicação

26/11/2018

País da Publicação

Brasil

Idioma da Publicação

Português

Página do Trabalho

http://sbfic.org.br/anais_show/102

ISSN

Aguardando...

Palavras-Chave

Clorofíceas, DNAbarcode, filogenia, Nordeste brasileiro, taxonomia

Resumo

O litoral do Estado de Pernambuco com 187 km de extensão (07º33’S e 08º55’S) está inserido na Região Fitogeográfica Tropical e exibe uma flora ficológica com marcada diversidade de espécies com representantes típicos de flora tropical, alguns com grande importância ecológica e econômica. Dentro das clorofíceas, a ordem Bryopsidales é a mais rica em número de espécies na ficoflora pernambucana. A presente pesquisa teve como objetivo conhecer a diversidade desta ordem sob uma perspectiva mais ampla, abordando dados taxonômicos, delimitação de espécies utilizando-se de marcador do tipo DNA Barcode e sistemática filogenética. As coletas foram realizadas em 19 praias ao longo da costa, incluindo duas ilhas costeiras. Foram identificados 29 táxons infragenéricos de Bryopsidales. As famílias mais representativas foram as Caulerpaceae (16spp.), seguida por Udoteaceae (4 spp.) e Halimedaceae (3 spp.). Sete praias se destacaram com maior número de representantes, a saber: Serrambi (14), Ilha de Santo Aleixo (13), Pau Amarelo (12), Pontas de Pedra (11), Catuama (10), Pilar (10) e Jaguaribe (10). A representatividade nesses locais pode estar relacionada à ampla diversificação de substratos (consolidados e inconsolidados). Se constituem em novas ocorrências para a flora do litoral do Estado de Pernambuco, Caulerpa cupressoides var. flabellata, C. cupressoides var. mamillosa e Penicilus capitatus f. elongatus. Com relação aos estudos moleculares foram geradas 37novas sequências de Bryopsidales para o marcador tufA (marcador do tipo DNA Barcode) e 31 para o rbcL, ambos marcadores plastidiais. As análises (Neighbour-Joining – NJ, Máxima Verossimilhança – ML e Inferência Bayesiana, BI) com os dois marcadores confirmaram a ordem Bryopsidales como monofilética, com alto suporte (100%) para todas as análises (NJ para o tufA; NJ e BI para o rbcL), com exceção de ML para o rbcL. Na árvore de NJ do tufA, as sequências se agruparam em clados correspondendo as famílias Bryopsidaceae, Caulerpaceae, Codiaceae, Derbesiaceae, Dichotomosiphonaceae, Halimedaceae e Udoteaceae, representadas pelos gêneros Avrainvillea, Bryopsis, Caulerpa, Codium, Derbesia, Halimeda, Udotea e Penicillus, com alto valor de boostrap (> 99%) para o marcador tufA e no marcador rbcL, as famílias Bryopsidaceae, Caulerpaceae, Derbesiaceae, Dichotomosiphonaceae, Rhipiliaceae aparecem em clados definidos.