Anais CBFic - Volume 1 - 2018

Sociedade Brasileira de Ficologia - SBFic

Publicado em 26/11/2018

Volume 1 - 2019

Título do Trabalho

OTIMIZAçãO DA PURIFICAçãO DO CORANTE NATURAL VERMELHO R-FICOERITRINA DA MACROALGA MARINHA SOLIERIA FILIFORMIS

Autores

FRANCISCO LUCAS DE SOUZA LOPES, ACRISIO JOSé UCHôA BASTOS FILHO, ÁUREA ANETTE MONTEIRO BRITO, ANA CAROLINA MARTINS DANTAS, INGRID QUEIROZ DE MIRANDA, FRANCISCO ÉWERTON DE SOUSA LIMA, PEDRO VICTOR PONTES SAMPAIO, JéSSICA ROBERTA PEREIRA MARTINS, NORMA MARIA BARROS BENEVIDES, MáRJORY LIMA HOLANDA ARAúJO

Modalidade

Resumo

Área Temática

3 BIOTECNOLOGIA E INOVAçõES

Data de Publicação

26/11/2018

País da Publicação

Brasil

Idioma da Publicação

Português

Página do Trabalho

http://sbfic.org.br/anais_show/101

ISSN

Aguardando...

Palavras-Chave

Ficobiliproteína, pigmento fluorescente, Rodófita.

Resumo

A R-Ficoeritrina (R-FE) é um pigmento fotossintético (ficobiliproteína) presente em macroalgas vermelhas, o qual tem sido aplicado como sonda fluorescente em citometria, microscopia, imunoquímica e apresentado atividades biológicas importantes para a saúde humana tais como antioxidante, antitumoral e anti-inflamatória. Diante disso, a R-FE também tem aplicação em produtos como fármacos, cosméticos e alimentos processados. Entretanto, o rendimento dos métodos de extração e purificação desse pigmento de macroalgas ainda é baixo. Dessa forma, o presente trabalho teve por objetivo otimizar o protocolo de purificação da R-FE da macroalga marinha vermelha Solieria filiformis, visando elevar o rendimento do pigmento puro. Para tanto, o extrato bruto proteico (EBP) foi obtido por meio do contato de 6 h contínuas da macroalga úmida triturada com tampão fosfato de potássio 25 mM, pH 6,5. Em seguida, o EBP foi submetido a: 1) precipitação com sulfato de amônio (90% de saturação) a -20 °C por 48 h; 2) fracionamento proteico com sulfato de amônio em 4 faixas de saturação (F0/25, F25/50, F50/75, F75/100 a -20 °C por 48 h; 3) cromatografia de troca-iônica em matriz de DEAE-Sephacel. A precipitação a -20 °C resultou num rendimento duas vezes maior que o relatado na literatura para a mesma macroalga. O fracionamento sob congelamento não se mostrou eficiente em purificar o pigmento, uma vez que ele continuou se distribuindo em todas as frações. Já a cromatografia do EBP mostrou um rendimento de R-FE de 0,12 mg/g alga úmida (AU) com uma recuperação de R-FE de 70,59%, com índice de pureza (IP) de 1,58, representando aumentos significativos em relação aos encontrados na literatura para a mesma alga. Com a finalidade de se aumentar o IP, foi realizado uma ultrafiltração em Vivaspin (cutoff 100kDa), no qual o material retido alcançou IP de 2,36 com uma recuperação de 35,29% e um rendimento final de R-FE de 0,06 mg/g AU. Diante dos resultados obtidos foi possível estabelecer um protocolo de purificação otimizado, alcançando rendimento, recuperação e índice de pureza superiores aos encontrados na literatura, gerando uma metodologia mais rápida e eficaz.