Anais CBFic - Volume 1 - 2018

Sociedade Brasileira de Ficologia - SBFic

Publicado em 26/11/2018

Volume 1 - 2019

Título do Trabalho

COMPARAçãO ENTRE AS METODOLOGIAS UTILIZADAS PARA PURIFICAçãO DE R-FICOERITRINA

Autores

JOãO VICTOR DE MELO PEREIRA, ACRISIO JOSé UCHôA BASTOS-FILHO, ROBERTA CRISTIANE CAVALCANTE COSTA, FRANCISCO LUCAS DE SOUZA LOPES, MáRJORY LIMA HOLANDA-ARAúJO, NORMA MARIA BARROS BENEVIDES

Modalidade

Resumo

Área Temática

4 USO SUSTENTáVEL DE ALGAS E OUTROS

Data de Publicação

26/11/2018

País da Publicação

Brasil

Idioma da Publicação

Português

Página do Trabalho

http://sbfic.org.br/anais_show/100

ISSN

Aguardando...

Palavras-Chave

Rodófitas, Pigmentos Fotossintéticos, Ficobiliproteínas

Resumo

As macroalgas marinhas biossintetizam pigmentos fotossintéticos de diferentes colorações como azul (ficocianinas), amarelo (carotenos), verde (clorofila) e vermelho (ficoeritrinas) são excelentes fontes de corantes naturais. As ficoeritrinas são ficobiliproteínas hidrossolúveis com propriedades antioxidantes e espectroscópicas (absorbância e fluorescência) de ampla aplicação na indústria, sobretudo diante da carência de corantes naturais vermelhos. Nesse contexto, o objetivo desse trabalho foi avaliar as estratégias experimentais utilizadas por pesquisadores para purificação de R-ficoeritrina a partir de macroalgas marinhas vermelhas nos últimos 18 anos. Inicialmente, foi realizada uma revisão de literatura no site Web of Science sobre relatos de purificação de R-ficoeritrina a partir de macroalgas marinhas. Em seguida, os dados disponíveis nos artigos encontrados foram organizados em forma de tabela quanto ao nome da espécie estudada, distribuição ao longo do mundo, protocolos de purificação, rendimento e índice de pureza da R-Ficoeritrina isolada. Após esse levantamento sobre as metodologias de purificação de R-ficoeritrinas, notou-se que existem poucos relatos na literatura sobre purificação e caracterização de ficoeritrinas a partir de macroalgas, no qual durante o período de 2000 até 2018, das 7238 espécies de macroalgas vermelhas taxonomicamente classificadas, somente 13 espécies de macroalgas foram avaliadas. Concluiu-se que são utilizadas diversas metodologias para purificação de R-ficoeritrinas, sendo definido um protocolo especifico para cada tipo de alga, onde as metodologias tradicionais empregadas são a precipitação proteica por sulfato de amônio, cromatografia de troca iônica e cromatografia de exclusão molecular, e que se faz necessário um estudo para purificação de R-ficoeritrina a partir de macroalgas marinhas vermelhas presentes no litoral brasileiro devido à escassez de relatos sobre purificação de R-ficoeritrina, sobretudo de espécies tropicais.