Anais CBFic - Volume 1 - 2018

Sociedade Brasileira de Ficologia - SBFic

Publicado em 26/11/2018

Volume 1 - 2019

Título do Trabalho

DISTRIBUIçãO ESPACIAL DAS DIATOMáCEAS EPIFíTICAS EM CORPOS D’áGUA DE UMA áREA DE PRESERVAçãO AMBIENTAL NA AMAZôNIA

Autores

ANA LíVIA FIGUEIRA DE OLIVEIRA, LUíS GUSTAVO DE CASTRO CANANI, SéRGIO DE MELO

Modalidade

Resumo

Área Temática

1 BIODIVERSIDADE, FILOGENIA E ECOFISIOLOGIA

Data de Publicação

26/11/2018

País da Publicação

Brasil

Idioma da Publicação

Português

Página do Trabalho

http://sbfic.org.br/anais_show/10

ISSN

Aguardando...

Palavras-Chave

ambientes lênticos, ambientes lóticos, Bacillariophyta, diversidade, perifíton.

Resumo

As diatomáceas são importantes produtores primários em ambientes lênticos e lóticos. A estrutura e a composição das assembleias de diatomáceas perifíticas são influenciadas não só pelas características físico-químicas da água, mas também pelo tipo de substrato e pela hidrodinâmica. Estudos que enfocam estes temas são escassos na Amazônia, principalmente no que se refere à distribuição espacial. Assim, este estudo foi desenvolvido com o objetivo de conhecer a composição das assembleias de diatomáceas epifíticas e investigar possíveis padrões relativos à sua distribuição espacial, em corpos d’água com diferentes características, localizados na Área de Preservação Ambiental de Alter do Chão (Santarém – PA). Em julho de 2016, foram selecionadas oito estações amostrais: uma na margem do Rio Tapajós, três em lagos de inundação e quatro em igarapés. Em cada estação, foram coletadas as macrófitas disponíveis no local para a extração do perifíton, realizada através de raspagem com escova, para oxidação e preparação de lâminas permanentes. Para cada amostra foram contadas no mínimo 400 valvas em 1.000 aumentos. Foram calculados os atributos riqueza (S), diversidade de Simpson (1-D) e equabilidade (Buzzas & Gibson). Para a análise de agrupamento foi utilizado o método Neighbour Joining e índice de similaridade Bray-Curtis. Foram identificadas 237 espécies, distribuídas em 8 ordens, 16 famílias e 30 gêneros, com destaque para os gêneros Eunotia Ehrenberg, Pinnularia Ehrenberg e Frustulia Rabenhorst. Três espécies foram dominantes (Actinella brasiliensis Grunow, A. peronioides Hustedt e Eunotia incisa W. Smith ex Gregory, todas em ambiente lótico) e 52 foram abundantes. Alguns gêneros foram abundantes apenas em ambientes lênticos, como Brachysira Kützing, Encyonema Kützing Discostella Houk & Klee, Fragilaria Lyngbye, Frustulia e Gomphonema Ehrenberg. Frustulia undosa Metzeltin & Lange-Bertalot foi a espécie mais frequente, ocorrendo em todos os ambientes amostrados. A análise de agrupamento separou as assembleias de acordo com a hidrodinâmica do ambiente aquático considerado: igarapés, tipicamente lóticos e lagos de inundação conectados ao rio Tapajós, tipicamente lênticos, incluindo as margens do próprio rio Tapajós. Este estudo indicou que tanto a composição quanto a estrutura das assembleias de diatomáceas epifíticas variaram mais de acordo com a hidrodinâmica (e os respectivos fatores físico-químicos associados) dos ambientes acessados (lênticos ou lóticos), do que em função do tipo de macrófita colonizada, apresentando um padrão de distribuição espacial característico. A elevada riqueza observada em um pequeno número de amostras, sugere que a diversidade de diatomáceas nos ambientes de águas claras da região do baixo Tapajós ainda é subestimada.